Olá! Crie sua conta de acesso ao site.
Se você já é cadastrado, faça o seu login.
Busca
Belo Horizonte e Matozinhos
Trata-se de viagem acadêmica propiciada para alunos dos sextos anos, integrando diversas disciplinas na observação do meio/entorno e tendo como foco o conhecimento e a valorização de diferentes patrimônios, desde os naturais e paisagísticos até o artístico (incluindo o literário) e arquitetônico, visando a criar uma consciência de preservação nos alunos, em diferentes níveis. O estado escolhido para trabalhar com essa perspectiva é Minas Gerais, o qual (em distâncias relativamente curtas) permite desenvolver um olhar panorâmico sobre a integração de patrimônios naturais e culturais.



Anteriormente à viagem, são realizados estudos com os alunos no sentido de instrumentalizá-los com informações e subsídios que lhes permitam usufruir melhor as vivências de campo, com resgate de conhecimentos e ampliação de aprendizagens, a partir do contato estreito com os objetos de estudo. Além dos aspectos temáticos trabalhados em sala de aula, eventualmente são desenvolvidos projetos culturais ou atividades de terceira nota, tendo como base situações vividadas de perto nessa viagem acadêmica.

As primeiras atividades incluem visitas ao sítio arqueológico de Cerca Grande e às grutas de Maquiné e Rei do Mato (de alto valor espeleológico), para estimular os alunos-viajantes à observação científica, apreciação estética e crítica (quanto à consciência de preservação); bem como à Casa de Guimarães Rosa, onde, além dos legados da memória do autor de Grande Sertão: Veredas, são propiciadas aos visitantes contações de histórias por “Miguilins”, jovens da comunidade local que se transformam em multiplicadores da obra do autor, em sua riqueza temática e estética. É feito um pernoite na Pousada Maquiné, em Caetanópolis, onde os alunos sentem-se praticamente “afastados da civilização”, desfrutando de um cenário ideal (que alia requinte e simplicidade) para resgatar as experiências do dia, pautadas no olhar contemplativo, na escuta atenta e na captação de detalhes.

A segunda etapa do percurso é concentrada em Belo Horizonte, com visita ao Palácio das Artes, Museu de Artes e Lago da Pampulha, Igreja de São Francisco, para estudo in loco de aspectos estéticos/temáticos/funcionais em torno de projetos criados a várias mãos (arquitetura de Oscar Niemeyer; pinturas de Cândido Portinari; esculturas de Alfredo Ceschiatti, paisagismo de Burle Marx). Devido à interlocução feita por professores da Escola, de diferentes áreas, e guias especializados, os alunos são instigados ao gosto estético e senso científico no contato com obras de arte.



Na etapa do Pós-Viagem, os alunos elaboram diários de bordo e/ou relatórios e provas contextualizadas, a fim de demonstrar suas aprendizagens ou registrar percepções (sensoriais e críticas). Além disso, em seus trabalhos artísticos, costumam reproduzir réplicas de pinturas rupestres e releituras de obras trabalhadas durante o processo, o que visibiliza o valor agregado à VIAGEM ACADÊMICA A BELO HORIZONTE E MATOZINHOS, inspirando os alunos a não se portarem apenas como espectadores, valendo-se das interações com o meio como estímulo à expressão intelectual e produção cultural.
Página Inicial | Tour Virtual | Notícias | Inscrições em Atividades | Fale Conosco | Circulares | Infantil | Fundamental | Ensino Médio | A Escola | Perspectiva Cultural | Fóruns Acadêmicos | Viagens Acadêmicas | Oficinas Opcionais | Vestibulares e Enem | Olimpíadas | High School | Conteúdo Pedagógico | Informações 2013 | Inscrições em Atividades

Rua Elias Tommasi Sobrinho, 154, Santa Lúcia - Vitória, ES - Brasil - CEP 29056-910 - Tel: (27) 3334 6300
© Centro Educacional Leonardo da Vinci 2021 · www.davincivix.com.br